Ecotelhado

COMO BRASIL, PANAMÁ E COSTA RICA DERAM NOVA VIDA ÀS SUAS TERRAS DEGRADADAS

30 de janeiro de 2017

Floresta na Costa Rica | Foto: Vilseskogen | Flickr

A América Latina e o Caribe são o lar de alguns dos ecossistemas mais biodiversos e produtivos do mundo. A região detém cerca de metade das florestas tropicais do mundo, e mais de 30% dos seus mamíferos, répteis, aves e anfíbios. Mas, apesar de importância ecológica da região, mais de 200 milhões de hectares (494,2 milhões de acres) de terras foi completamente desmatada ou degradada no século passado, uma área do tamanho do México.

Toda esperança não está perdida. Estudos de caso de “Diagnósticos de restauração” mostram que a restauração da terra na América Latina e no Caribe tem sido feito antes. Sucessos do Brasil, Panamá e Costa Rica oferecem lições sobre como tornar a terra degradada em uso produtivo.

Brasil revitaliza florestas urbanas

Localizado dentro da cidade do Rio de Janeiro, Parque Nacional da Tijuca é uma das maiores florestas urbanas do mundo – mas isso não foi sempre o caso.

Em meados do século XIX, a expansão agrícola – especialmente as plantações de café – degradou e desmatou a área que agora abrange o parque. No entanto, os líderes também reconheceram a oportunidade de utilizar essas terras para trazer serviços dos ecossistemas, como proteção de bacias hidrográficas para uma cidade em crescimento, e na década de 1860, o Brasil criou a Floresta da Tijuca como primeira área de conservação do país. Ao longo dos próximos 25 anos, o país plantou cerca de 90.000 árvores.

Restauração no Parque Nacional da Tijuca, Rio de Janeiro | Referência: WRI

No entanto, tornar a Tijuca uma área protegida não foi suficiente para restaurar completamente os benefícios econômicos e ecológicos para a região. Crises de água graves (semelhantes aos que se tiveram a pouco tempo afligindo o Brasil – São Paulo) levou o governo brasileiro a designar a área como um parque nacional em 1961. Isto permitiu a intensificação dos esforços de restauração, pois o governo percebeu os benefícios da vegetação em modular os fluxos de água, retardando o escoamento nas estações chuvosas e capturando água durante as estações secas. Ao longo do tempo, o parque melhorou o abastecimento de água e a qualidade do ar do Rio de Janeiro, aumentou as oportunidades de lazer e criou um habitat para os animais.

Panamá restaura bacias hidrográficas enquanto promove comércio

Quase 50% do Canal Watershed no Panama é coberto por florestas, e é uma das áreas de maior biodiversidade do mundo, apesar de 200 anos de degradação e desmatamento.

As florestas foram limpas primeiramente no final dos anos 1800 ​​para fazer a maneira para estradas de ferro e outras infraestruturas necessárias para construir o canal de Panamá. O desmatamento continuou entre 1904 e 1914 quando o governo americano construiu e abriu o canal, uma das maiores rotas comerciais do mundo, e acelerou ainda mais em 1979, quando o Panamá recebeu o controle do canal dos Estados Unidos.

Restauração no Canal Watershed em Panama | Referência: WRI

No entanto, diversos atores, como administradores, cientistas, políticos e ambientalistas, eventualmente, reconheceram que a preservação de água confiável e fluida, naturalmente, ou pelo meio das infraestruturas verdes, era essencial para preservar o funcionamento do próprio canal. Na década de 1980, o governo começou a aplicar na legislação a proibição ao desmatamento e a restauração obrigatória de florestas na região. Em 2011, a Autoridade do Canal do Panamá iniciou formalmente um programa de reflorestamento destinado a proteger os fluxos de água da estação seca necessários para a operação diária do canal e garantir água potável para 1,3 milhão de pessoas (cerca de dois terços da população nacional). Hoje, a bacia hidrográfica serve como fonte de água doce para geração de eletricidade e para o funcionamento das fechaduras de navegação do canal.

Costa Rica reduz pressão sobre florestas

As florestas da Costa Rica estão começando a se recuperar depois de ter sofrido um grande golpe há décadas.

Produção agrícola, gado pastando e rápida expansão de sua rede rodoviária reduziu a cobertura florestal na Costa Rica entre 1943 e 1986. Este desmatamento também estimulou a erosão do solo, que ameaçou obstruir os reservatórios de hidrelétricas que fornecem cerca de 75% da nação eletricidade.

A situação está agora melhorando graças a uma reestruturação dos incentivos financeiros.

Para começar, o governo concedeu deduções fiscais na década de 1970 para os proprietários que restauraram paisagens degradadas, substituído na década de 1990 por um Pagamento por Serviços Ambientais (PSA) esquema que deu proprietários dinheiro para proteger as florestas ou a plantação de árvores. 

Mas as coisas realmente não começaram a mudar até que o país parou de subsidiar atividades que causavam desmatamento em primeiro lugar. Em meados da década de 1980, o Banco Mundial reduziu os subsídios à criação de gado no país, fundamentalmente tomando pressão sobre terras e florestas. Como resultado desse programa de ajuste estrutural, o rebanho bovino da nação declinou em um terço, a demanda por pastagens declinou, e a terra foi regenerada. A partir de 2005, a área florestal havia aumentado para 2,45 milhões de hectares, ou 48% do país.

Restauração na Costa Rica | Referência: WRI

No entanto, a concorrência continua por terras na Costa Rica, especialmente onde a compensação do governo fica aquém dos benefícios do desenvolvimento de terras florestais. Novos incentivos financeiros podem ajudar vários tipos de proprietários a buscar oportunidades de restauração.

Ampliando os sucessos

O futuro da restauração na América Latina e no Caribe é promissor. Um projeto regional denominado Iniciativa 20×20 já garantiu compromissos para restaurar 20 milhões de hectares (49,5 milhões de acres) de terras em 2020 – uma área quase do tamanho do Reino Unido – com investidores de impacto privado destinando US $ 1,15 bilhões para apoiar projetos de restauração. É legal averiguar que nesses três exemplos citados, houve incentivos sugeridos pelo governo, um detalhe extremamente importante para a causa da sustentabilidade.

Os ministros do Meio Ambiente, Sarney Filho, e o da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi, anunciaram no dia 3 de dezembro, em Cancún, México, a adesão do governo brasileiro ao Desafio de Bonn (“Bonn Challenge”) e à Iniciativa 20×20

Como as razões para restaurar tornam-se cada vez mais aparentes, ainda mais com essas histórias do Brasil, Panamá, Costa Rica e outros sucessos, olhar para estas regiões como uma fronteira para o movimento emergente global de restauração é importante.

 

* O Desafio de Bonn é um esforço internacional não vinculante de recuperação da paisagem florestal para restaurar 150 milhões de hectares de áreas desmatadas ou degradadas até 2020, e uma extensão adicional de 200 milhões de hectares até 2030. Já a Iniciativa 20×20 é uma plataforma que visa á recuperação de 20 milhões de hectares de áreas produtivas na América Latina e Caribe, prevê a recuperação e conservação de solos produtivos, a integração de sistemas agrícolas, e o engajamento de investidores para financiar as atividades dessa iniciativa.

 

Referências: WRI; Agricultura; Organics news Brasil

Texto * | Catarina Schmitz Feijó

Ecotelhado
A Ecotelhado é a melhor empresa de soluções para arquitetura sustentável do Brasil. Navegue pelo site e veja o que podemos fazer pelo seu projeto.