Foto por Murray Fredericks

Concluído em 2013, o One Central Park, em Sydney, ainda é um ícone de arquitetura integrada com design biofílico. A área toda tem em torno de 6.400 metros quadrados de extensão física. Mas, o que chama a atenção, são as duas torres residenciais – ao todo são 624 apartamentos, com 38 coberturas de luxo. As edificações também têm finalidade comercial e para a comunidade, com seus espaços abertos e parque.

Antes dos edifícios, a área era industrial. Depois, a região ganhou vida com o projeto do Jean Nouvel e os jardins verticais do paisagista Patrick Blanc, que abrigam 350 espécies diferentes de plantas.

Área antes das construções

A noite, um espetáculo de luz ganha destaque: é arte em LED, criação do artista Yann Kersalé. O show é possibilitado por um helióstato de espelhos – superfície refletora que acumula radiação solar e produz energia elétrica –, que faz com que a magia aconteça.

Foto por Simon Wood

Ao todo, são 23 jardins verticais com 35 mil plantas. Mas o projeto inteiro abriga 85 mil plantas. Espaços verdes são únicos e enriquecem os espaços em diversos sentidos, incluindo monetário. Quanto aos jardins, Jean Nouvel diz: “Apesar da conveniência funcional, a presença imponente do verde é um sinal universal de vida na Terra. Essa noção de que a vegetação significa vida é tão engrenhada na percepção humana que parques e jardins, em todos os tempos, são os lugares mais desejáveis de se viver perto” (Architecture & Design, 2014).

Foto por Murray Fredericks